Elisabelferriche's Blog

agosto 29, 2012

Começar de novo…

 

Após uma separação, nem todo mundo consegue considerar a possibilidade de um “recasamento”. De acordo com o psicólogo especializado na área do tratamento das dificuldades do relacionamento amoroso e autor do livro “A Arte da Paquera: inspirações à realização afetiva”, Thiago de Almeida, “muitas coisas se perdem entre a separação e a consideração para uma nova situação familiar. Uma delas é o dinheiro. Outra é o tempo, investimento irrecuperável. As relações amorosas hoje estão muito fluidas e, especialmente, as mulheres não pensam em investir de novo em um casamento em tempos onde até a noção de vínculo foi relativizada”.

Uma palavra muito usada na Física pode ser aplicada com sucesso nas questões do coração: resiliência. “Essa palavra representa a capacidade que um corpo tem de, após deformado, voltar ao seu estado original, como a mola, por exemplo. As pessoas têm essa mesma capacidade. Depois de uma decepção amorosa, existe a possibilidade dessas pessoas retornarem a um estado onde sejam, novamente, plenamente capazes de recomeçar. A dor da separação é bem semelhante à dor do luto e a superação requer uma atualização psicológica. Elas precisam de um tempo para se recuperar do trauma do fim e começar de novo. Pode durar seis meses, 15 anos, mas todos têm a tendência de voltar ao estado original”, garante Thiago.

Já bastante conhecidas, as fases do luto – o que a pessoa sente quando recebe a notícia de morte – também podem ser aplicadas quando percebem o fim de uma relação, especialmente se tiver sido duradoura. Thiago explica que, no entanto, nem sempre as fases ocorrem alternadamente ou na ordem proposta. “Primeira fase: negação. A pessoa tenta acreditar que o fim é apenas uma fase, que as coisas já irão voltar ao normal. Segunda fase: raiva. Essa é a fase das brigas e atribuição de culpas. Telefonemas irados, fotos rasgadas. Terceira fase: barganha. A pessoa tenta fazer acordos para negociar a volta. Esses acordos podem ser feitos com o próprio ex, mas também consigo mesma, através de objetivos. Quarta fase: tristeza. É quando a pessoa cai na real e percebe que não haverá mais volta. Ela tende a ficar mais introspectiva, chorar. Quinta fase: aceitação. É a tal da fase da resiliência. Ela aceitou o fim e está pronta para recomeçar, partir para outra”, ensina.

O último verso do poema Soneto da Fidelidade, de Vinícius de Moraes, “que seja eterno enquanto dure”, não poderia retratar melhor os relacionamentos atuais. Thiago explica que “as pessoas tendem a pensar que não querem perder mais tempo em um novo relacionamento se o anterior ‘não deu certo’. Mas relacionamentos não dão errado. Eles são sempre funcionais durante o tempo em que o casal esteve junto. O relacionamento é uma edificação que se constrói todos os dias, tijolo por tijolo. Se, por acaso, não tem mais tijolos para colocar, não necessariamente o que foi construído irá cair. Pode servir até de fundação para uma relação futura, onde os medos e as inseguranças do passado foram substituídas por uma maturidade emocional e as expectativas se tornaram mais realistas. Não se busca mais a ‘outra metade’ quando já estiver se sentindo completa”, finaliza o psicólogo.

Fonte: Mais de 50

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: